DICAS de português do Brasil

Arquivo da categoria: crase

Anúncios

Língua Portuguesa: Crase

OCORRE CRASE

No “a” dos pronomes demonstrativos aquele (s), aquelas(s), aquilo:

Fui a aquele comício. = Fui àquele comício.

Demos a aquilo pouca importância = Demos àquilo pouca importância.

No “a” do pronome relativo “a qual” e flexão “as quais”:

A cidade a a qual nos referimos fica longe = A cidade à qual nos referimos fica longe.

O pronome demonstrativo “a” ou “as”  = aquela, aquelas:

 

Esta caneta é semelhante a a que você me deu = Esta caneta é semelhante à que você me deu.

Estas ruas são iguais a as de Sorocaba = Estas ruas são iguais às de Sorocaba.

 

Para saber se há o encontro de “a” (preposição) com “a” (artigo), no sentido de se dirigir a algum lugar, utilize a dica rimada:

Quando vou a e volto da, crase há.

Quando vou a e volto de, crase para quê?

 

Volto da Bahia. Vou à Bahia. (A Bahia, com artigo)

Volto de Uberlândia. Vou a Uberlândia. (Uberlândia, sem artigo)

Para saber se há o encontro de “a” (preposição) com “a” (artigo) na regência, troque a palavra feminina regida por uma masculina.

Forno a lenha. Forno a gás. (não há crase, pois há apenas preposição)

Baile a fantasia. Baile a rigor. (apenas preposição)

Os marinheiros voltaram a terra. (não há crase)

Os marinheiros voltaram a bordo.

Os marcianos voltaram à Terra. (há crase)

Aquiles voltou à terra de seus pais (terra está determinada). 

Pagamento a vista. (não há crase)

Pagamento a prazo.

Atenção: Mas alguns gramáticos têm aceitado à vista, e chamam a isso de acento grave diferencial, para evitar ambiguidades, como por exemplo: Vendo a vista. [no sentido de vender os olhos.] Assim como: Matou à bala; Escrever à máquina; Fechar à chave, etc. Todos com acento indicativo de crase no sentido de circunstância, meio, forma ou instrumento. Considerados locuções adverbiais femininas.



Falta de determinador pode ser o sinal da falta do artigo “a”.

Prefeito corrupto está sujeito a multa. (não há crase, há apenas preposição: multa sem determinador)

Prefeito corrupto está sujeito à multa de 150 reais. (há crase, está determinada a multa, então há artigo definido)

Ensino a distância. (não há crase, pois é apenas preposição)

O prefeito mora à distância de 75 quilômetros da cidade. (há crase; pois se a distância está determinada, haverá artigo definido)

Observe: Ele mora a 75 quilômetros daqui. (não há crase)

                  A água ferve a 100 graus. (não há crase)

 

O uso da crase antes de pronomes possessivos femininos é facultativo:

Eu disse à minha mãe que voltarei. (preposição “a” + artigo “a”)

Eu disse a minha mãe que voltarei. (apenas preposição)

 

Eu posso dizer “Minha mãe esteve aqui” ou com artigo “A minha mãe esteve aqui”, por isso facultativa.

Antes de pronomes de tratamento:

Pedir auxílio a Nossa Senhora não há crase, não.

E pedindo perdão a Vossa Senhoria, Vossa Excelência, você, etc., também não há.

Não há crase antes das formas de tratamento porque não há o artigo “a”

 

Também é facultativo o uso da crase ao se endereçar uma carta:

À Madalena (preposição “a” + artigo “a”)

A Madalena (apenas preposição)

Ao Paulo (preposição “a” + artigo “o”)

A Paulo (sem crase, é claro)

 

Dias da semana, do mês e horas:

Inscrições abertas de segunda a sexta-feira. (apenas preposição, se antes de “segunda” só há a preposição “de”, antes de sexta só haverá preposição “a”)

Aberto da segunda à sexta-feira. (preposição “a” + artigo “a”, porque temos preposição “de” mais artigo “a” formando o “da” antes de “segunda”, então antes de sexta: “a” mais “a”. Por isso a crase)

Fechado da 3ª à 5ª. (preposição “a” + artigo “a”)

(não se esqueça de que sábado e domingo são dias masculinos, portanto sem crase)

De 10 a 20 de março. (apenas preposição)

Das 10 às 20 horas. (preposição “a” + artigo “a(s). Das 10 ao meio dia.

Abriremos às 22h30.(preposição “a” + artigo “a(s)”. Abriremos ao meio dia.

Se puder usar “ao meio dia”, então há crase.

 

Pode ocorrer crase antes de palavras masculinas apenas quando subentendida a palavra moda:

Bigodes à Hitler. (à moda)

Cabelos à Príncipe Danilo. (à moda)

Filé à Santos Dumont. (à moda

Escrito por sergio.labruna


Estamos “a sua disposição”  ou  “à sua disposição”?

É um caso facultativo. Antes dos pronomes possessivos (minha, tua, sua nossa…), o uso dos artigos definidos é facultativo:

“Este é o meu jumento” ou “Este é meu jumento”; “Aquela é a minha jumenta” ou “Aquela é minha jumenta”.

Assim, se o uso do artigo antes do pronome possessivo é facultativo, o uso do acento da crase também o será: “Estamos à sua disposição” ou “Estamos a sua disposição”.


DICAS DE PORTUGUÊS

CRASE

https://vanraz.wordpress.com/

 Não ocorre crase:

 a) antes de palavra masculina: O deputado do PC está no Rio a serviço;

 b) antes de artigo indefinido: Chegamos a uma conclusão sobre o desvio de dinheiro público;

 c) antes de verbo: Os senadores foram obrigados a trabalhar em prol do povo;

 d) antes de expressão de tratamento: Dei uma graninha a Sua Santidade;

 e) antes de pronomes pessoais, indefinidos e demonstrativos: Nada revelarei a ela, a qualquer pessoa ou a esta pessoa;

 f) quando o “a” está no singular, e a palavra seguinte está no plural: Referimo-nos a mulheres evangélicas;

g) quando, antes do “a”, existir preposição: Os senadores e deputados compareceram perante a Corte Suprema.


Vanraz

Dicas de português

A PALAVRA “CASA”

Ontem estive em casa de alguns parentes.

Quando a palavra casa vier acompanhada de qualificador, é obrigatório o uso do artigo.

Assim, a frase correta é:

Ontem estive na (em + a) casa de alguns parentes.

A palavra casa precedida da preposição em, desacompanhada de artigo, refere-se ao lar do sujeito da oração:

Fiquei em casa.
Rubens estava em casa. (em sua própria casa)

https://vanraz.wordpress.com/