“O homem é o que há de mais belo para o homem” (CÍCERO. De Nat. D.,lib. I). E isto não é um sintoma de limitação, pois acha belos outros seres além de si; apraz-se também com a beleza das formas dos animais, com a beleza das formas das plantas, com a beleza da natureza em geral. Mas somente a forma absoluta, perfeita, pode admirar sem inveja as formas dos outros seres.