Português vanraz

DICAS DE PORTUGUÊS “PRA OCÊS”

CRASE

Crase não é acento, e sim superposição de dois “as”. O primeiro é uma preposição, o segundo, pode ser um artigo definido, um pronome demonstrativo a(as) ou aquele(a/s),e aquilo. O acento que marca este fenômeno é o grave (`).

Condições necessárias para ocorrer crase: termo regente deve exigir a preposição e o termo regido tem de ser uma palavra feminina que admita artigo.

Uma dica é trocar a palavra feminina por uma masculina equivalente, se aparecer “ao(s)” usa-se crase, caso apareça “a” ou “o(s)” não haverá crase.

a) Eles iriam à praia.

b) Eles iriam ao porto.

A crase é obrigatória:

– em locuções prepositivas, adverbiais ou conjuntivas (femininas).

Ex.: à queima-roupa, às cegas, às vezes, à beça, à medida que, à proporção que, à procura de, à vontade.

Em expressões que indicam instrumento, crase é opcional (escrevi a (à) máquina.)

– expressão à moda de, mesmo que subentendida.

a) Era um penteado à francesa.

b) O jogador fez um gol à Pele.

– quando as palavras “rua”, “loja”, “estação de rádio” estiverem subentendidas.

Maria dirigiu-se à Globo (estação de rádio).

As situações onde não existe crase são:

– antes de palavra masculina e verbos.

a) Vende-se a prazo.

b) O texto foi redigido a lápis.

c) Ele começou a fazer dietas.

– antes de artigo indefinido e numeral cardinal (exceto em horas).

a) Refiro-me a uma blusa mais fina.

b) O vilarejo fica a duas léguas daqui.

– antes dos pronomes pessoais, inclusive as formas de tratamento.

a) Enviei uma mensagem a Vossa Majestade.

b) Nada direi a ela.

Os itens dona, senhora, senhorita e madame constituem títulos ou formas de tratamento, e não pronomes.

No caso das formas de tratamento acima, das quais devo dizer que senhorita e madame estão em franco desuso no Brasil, o uso do artigo é facultativo.

– antes de pronomes demonstrativos esta (s) e essa (s).

a) Refiro-me a estas flores.

b) Não deram valor a esta idéia.

– antes de pronomes indefinidos, com exceção de outra.

a) Direi a todas as pessoas.

b) Fiz alusão a esta moça e à outra.

Vejamos o caso de MESMA e OUTRA.

 

Ex: Assistimos sempre às mesmas cenas.

Ex: Não diga nada às outras. “Neste ano, cresce à mesma taxa”

A crase nesses contextos constitui-se uma exceção.
De fato, a regra determina não usar o acento indicativo de crase antes de pronomes que não admitem artigo. MESMA e OUTRA, ambos os vocábulos são pronomes; o primeiro, pronome demonstrativo; o segundo, pronome indefinido. Todavia, esses dois pronomes, do elenco de pronomes existentes, são os que constituem exceção ao não craseamento do A antes de pronomes.
– antes da preposição a tiver outra preposição.

Compareceu perante a juíza no dia da audiência.

Com a preposição até o uso é facultativo.

– no meio de expressões com palavras repetitivas.

Ficamos cara a cara.

– no a singular seguido de palavra no plural.

Pediu apoio a pessoas estranhas.

Não haverá crase antes de pronome interrogativo.

Na expressão devido à (s) + palavra feminina ocorre a crase.

– palavra feminina tomada em sentido genérico.

Apena pode ir de advertência a multa.

Havendo determinação, a crase é indispensável (Ele admite ter cedido à pressão dos superiores.)

Na dúvida, e excluída qualquer das hipóteses tratadas, basta substituir a palavra feminina por uma masculina equivalente. Se ocorrer ao no masculino, haverá crase.

Fui à cidade fazer compras – (ao supermercado).

A CRASE É FACULTATIVA:

– antes de nomes próprios femininos (exceto em nomes de personalidade pública – sem artigo):

Enviei um presente a (à) Maria.

A exceção ocorre quando o nome feminino vier acompanhado de uma expressão que a determine. A crase será obrigatória.

Ex. Dedico minha vida à Rosa do Jaboatão.

– antes do pronome adjetivo possessivo feminino singular:

a) Pediu informações a minha secretária.

b) Pediu informações à minha secretária.

c) Pediu informações a minhas secretárias.

d) Pediu informações as minhas secretárias.

e) Pediu informações às minhas secretárias.

Se o pronome possessivo for substantivo e por regência a preposição for exigida, a crase será obrigatória (Foi a [à] sua cidade natal e à minha)

– antes de topônimos, a menos que estejam determinados.

a) Iremos a Curitiba.

b) Iremos à bela Curitiba.

c) Iremos à Bahia.

Quando o topônimo não estiver determinado, usa-se o teste da troca do verbo para chegar. Se nesta troca aparecer chego da, há crase; se for chego de, não há crase.

– Crase da preposição a com o pronome demonstrativo e relativo:

Com os demonstrativos aquele (s), aquela (s) e aquilo, basta verificar se, por regência, alguma palavra pede a preposição que irá se fundir com o “a” inicial do próprio pronome.

Uma dica é trocar aquele (a/s) por “este”; (a/s) e aquilo por “isto”, se antes aparecer “a”, há crase.

a) Enviei presentes àquela menina.

b) A matéria não se relaciona àqueles problemas.

c) Não se de ênfase àquilo.

uando o pronome demonstrativo “a(s)” aparece antes de “que” ou “de” e pode ser trocado por aquela (s), usa-se crase.

Deve-se fazer o teste da troca por um masculino similar e verificar se aparece ao (s)

a) Esta estrada é paralela à que corta a cidade (o caminho é paralelo ao que corta a cidade).

b) Conheço a moça de azul, não a de branco. Conheço o moço de azul, não o de branco.

Antes dos pronomes relativos “que” e “quem” não ocorre crase. Já o pronome qual (s) admite crase.

Uma dica é trocar o substantivo feminino anterior ao pronome por um masculino, se aparecer ao (s) há crase

a) A menina a que me refiro não estudou. O menino a que me refiro…

b) A professora a quem me refiro é bonita. O professor a quem me…

b) A fama à qual almejo não é difícil. O prestígio ao qual almejo…

Casos especiais sobre o uso da crase:

– antes da palavra casa:

Quando a palavra casa significa lar, domicílio e não vem acompanhada de adjetivo, ou locução adjetiva, não se usa a crase.

 

Ex. Iremos a casa assim que chegarmos (iremos ao lar assim que chegarmos).

Quando a palavra casa estiver modificada por adjetivo ou locução adjetiva.

Iremos à casa de minha mãe.

– antes da palavra terra:

Oposto de mar, ar e bordo – não há crase

 

O Marinheiro retorna a terra.

Quando terra significa solo, planeta ou lugar – pode haver crase.

a) Voltei à terra natal.

b) A espaçonave voltará à Terra em um mês.

– antes da palavra distância:

Não se usa crase, salvo se vier determinada.

a) Via-se o barco à distância de quinhentos metros (determinado).

b) Olhava-nos a distância.

1 – Não se usa crase antes de pronome indefinido.

Ex. … referindo-se a toda a documentação.

2 – No caso de se referir ao planeta Terra, há crase.

Ex. …começaram a enviar à Terra informações.

3 – Terra se referindo ao solo não usa crase.

Ex. Os marinheiros retornaram a terra.

Casos particulares

1. Casa

Quando a palavra casa é empregada no sentido de lar e não vem determinada por nenhum adjunto adnominal, não ocorre a crase.

Exemplos:

Regressaram a casa para almoçar
Regressaram à casa de seus pais

2. Terra

Quando a palavra terra for utilizada para designar chão firme, não ocorre crase.

Exemplos:

Regressaram a terra depois de muitos dias.
Regressaram à terra natal.

3. Pronomes demonstrativos: aquele, aquela, aqueles, aqueles, aquilo.

Se o tempo que antecede um desse pronomes demonstrativos reger a preposição a, vai ocorrer a crase.

Exemplos:

Está é a nação que me refiro.
(Este é o país a que me refiro.)
Esta é a nação à qual me refiro.
(Este é o país ao qual me refiro.)
Estas são as finalidades às quais se destina o projeto.
(Estes são os objetivos aos quais se destino o projeto.)
Houve um sugestão anterior à que você deu.
(Houve um palpite anterior ao que você me deu.)

Ocorre também a crase

a) Na indicação do número de horas:
Chegamos às nove horas.

b) Na expressão à moda de, mesmo que a palavra moda venha oculta:
Usam sapatos à (moda de) Luís XV.

c) Nas expressões adverbiais femininas, exceto às de instrumento:
Chegou à tarde (tempo).
Falou à vontade (modo).

d) Nas locuções conjuntivas e prepositivas; à medida que, à força de…

OBSERVAÇÕES: Lembre-se que:

Há- indica tempo passado.
Moramos aqui seis anos

A- indica tempo futuro e distância.
Daqui a dois meses, irei à fazenda.
Moro a três quarteirões da escola.